Feeds:
Posts
Comentários

Archive for setembro \30\UTC 2012

Post Artur da Távola_Quatro monstros

Artur da Távola

Quatro monstros

[O Dia, 13/02/2002]

Cada novo dia, por maior que tenha sido o bem feito no dia anterior, quatro monstros da alma nos espreitam e atacam: a onipotência, a malignidade, a depressão e a trivialidade. Cada ser humano normal tem os quatro dentro de si. Ou os descobre e combate, ou um, dois, os três ou os quatro o dominam. Os quatro juntos é raro e patológico. Mas, um por dia, pelo menos, temos que enfrentar. Enfrentá-los não os elimina. Porém, se não os enfrentarmos, eles nos devorarão.

A onipotência ataca mais na juventude. Ela nos faz supor poderes sempre acima do que temos. Confunde-se com o amor próprio para poder atacar. E o sistema produtor, que sabe disso, excita a onipotência com suas ideias de glória, beleza, força excepcional, sucesso. Basta distrairmo-nos e logo nos sentiremos com uma disposição exagerada, mas que no fundo esconde dependência de aprovação ou aplauso e medo. Só o fraco usa a força. Mas usa. E a supõe permanente.

A malignidade vai da simples fofoca à curiosidade patológica sobre a vida do próximo, atingindo o ápice em mecanismos destinados a prejudicar os demais. Um soltador de vírus na Internet é um maligno, tanto quanto o homem caviloso que engendra formas de destroçar seus concorrentes, adversários ou inimigos. A política nos ensina quanto o dia a dia do ser humano está esturricado de malignidade latente ou patente. Ela possui, ainda, formatos suaves que se infiltram no cotidiano. O maligno revela as sementes desse impulso desde criancinha. A história humana está repleta desse monstro.

A depressão é sonsa. Quando aparece explícita, a pessoa já está mal. Sonsa e intermitente. Aparece e some num mesmo dia, disfarça-se de estado depressivo (que não é depressão, porém nela se nutre), infiltra-se em nossas irritações, cansaços misteriosos, tédios – mascara-se com mil disfarces. Isso em tamanho diminuto, quando ela se faz companheira sinistra de nossas fantasias mentais fora de controle racional. Em tamanho grande é lúgubre. Corrói esperanças, destrói carreiras, induz ao alcoolismo ou às drogas, derruba o distinto, baixa as resistências orgânicas. A espécie humana está cheia de depressão.

A trivialidade é a mediocridade. Todos a temos. Esnobes e intelectuais pretensiosos a escondem. São momentos em que não conseguimos ser o melhor de nós, em que o outro nos atrai para seu universo limitado e nos aprisiona por causa de nossa vaidade ou do amor próprio exaltado. A trivialidade é uma das mais precisas definições da condição humana. O ser precisa elevar-se, se deseja sair do charco da trivialidade. Por isso, religiões, terapêuticas, técnicas milenares de ascese do espírito aí estão a atrair as pessoas. A vida humana deve ser um esforço permanente de santidade.

Dante Alighieri_inferno
Anúncios

Read Full Post »

Post_Vânia M Diniz_ Maturidade

MATURIDADE

Vânia Moreira Diniz*

Sei que é  difícil falar de maturidade porque frequentemente a confundimos com idade. É claro que é normal que ela venha com o passar dos anos e embora frequentemente estejam juntas as sensações são completamente diversas.

Em geral todos nós temos uma atitude negativa quando pensamos em “tempo vivido” e quando percebemos sinal do tempo, como os cabelos brancos, que começam a aparecer. Aprendemos com tudo que nos cercou desde a infância a encará-la como um lobo mau e geralmente se experimenta um sentimento de nostalgia frente ao mundo dinâmico, brilhante e com novas técnicas induzidas de “juventude”.

À medida que o tempo decorre um pavor vai tomando conta das pessoas

como se esse momento não fosse uma nova fase que poderá resultar,

malgrado algumas limitações, numa riqueza desconhecida que poderemos explorar com alegria.

A maturidade é um desses pontos positivos embora exista muito jovem com maturidade e velhos que carregam uma infantilidade nada agradável porque sua estabilidade emocional se ressente com a falta de segurança que isso enseja ao contrário do que eles pensam.

A maturidade mais aprazível é aquela que aprendemos com o correr das experiências e uma das formas mais certas de aprendizado é o sofrimento.

Quando ultrapassamos aquele período de dor surge uma sensação de segurança e tranquilidade jamais experimentada em outros períodos da vida.

Maturidade é uma aquisição muito feliz e a percepção que podemos dominar nossos próprios dragões e ultrapassar mágoas ou sentimentos pequeninos mudando a cada passo valores que na extrema juventude nos perturbavam é realmente fascinante. No sentido mais amplo.

Os valores mudam muito rapidamente apesar de só notarmos isso repentina e inadvertidamente e quando acontece parece estranho, mas a verdade é que é uma conquista realmente poderosa e bem-vinda.

Quando a maturidade vem junto com valores primordiais de conhecimento, necessidade de saber e procurar aprofundamento de verdades que antes nos passavam despercebidas e principalmente doçura, ternura  pelo mundo,

envolvimento em amor universal, preocupação com o outro  e certeza que, embora continuando a errar, e muito, detectamos que precisamos ainda nos aperfeiçoar profundamente, a paz envolve nossas almas.

Claro que nos perturbamos nesse momento ainda mais com a violência, truculência, indiferença, pobreza, fome, desamor, mas há uma percepção que podemos lutar com uma força e esperança que só a maturidade nos transmite.

A vaidade passa a atuar mais profundamente em duas vertentes e nos preocupamos com o interior tanto quanto o fazemos com o exterior para que ambas possam não se tocarem mas agirem como duas paralelas que estão sempre juntas sem haver prejuízo para uma ou para outra. Ser bela por dentro e por fora, existe conquista pessoal mais completa?

Esse é o grande segredo da satisfação plena.

Maturidade é compreender que nenhuma mágoa pode ser tão importante a ponto de nos fazer sofrer e que às vezes é melhor não dizer coisa alguma a entristecer o nosso próximo e quanto mais próximo mais precisamos desse exercício de conscientização.

E também entender que as pessoas na maioria das vezes não querem nos ferir quando dizem algo que atinge nossa alma e que é preferível sempre ser magoado a magoar. Pelo menos não teremos nosso coração doendo e poderemos dormir em paz. Mas creio que só a maturidade é capaz de entender perfeitamente esses conceitos.

A maturidade também nos faz entender que as lágrimas foram feitas para serem derramadas tanto no sofrimento como na alegria e que não é feio chorar quando isso nos alivia e principalmente quando acompanhamos alguém que está precisando de nosso apoio ou compreensão.

Claro que como seres humanos enfrentamos momentos de tristeza ou depressão passageira, mas é importante que se use essa experiência para evitarmos que isso se transforme em doença ou pelo menos se procure ajuda com médicos, terapeutas, analistas e em recursos que a ciência tornou profícua.

Maturidade no sentido mais positivo vem dos anos que já se foram, mas consiste em aproveitar os ensinamentos para uma qualidade de vida melhor mas também mais digna enquanto se aprecia com mais objetividade todos os elementos da natureza como fonte de riqueza e engrandecimento da alma e se admira todos aqueles que podem nos transmitir sábios ensinamentos.

Maturidade  é plenitude de dias vividos que resulta em experiências frutificadoras, em olhar o mundo com mais amenidade e sentir que devemos deixar para nossos sucessores um exemplo de amor, saúde, compreensão e intolerância para os próprios erros.

Uma sugestão para publicação da poeta Vera Mussi.
*Vânia Moreira Diniz, natural do Rio de Janeiro (RJ) – 21/10 é escritora, humanista e pesquisadora. Fundou o Centro de Treinamento de Línguas em Brasília e colabora com a revista Mirante em Santos, SP. Formou-se em Letras com pós-graduação em Educação e faz palestras nesta área.

Read Full Post »

Post Martha Medeiros_Na terra do Se
MARTHA MEDEIROS – Na terra do ‘se’

02/10/2010 | N° 12060 – Jornal de Santa Catarina

Se quem luta por um mundo melhor soubesse que toda revolução começa por revolucionar antes a si próprio.

Se aqueles que vivem intoxicando sua família e seus amigos com reclamações fechassem um pouco a boca e abrissem suas cabeças, reconhecendo que são responsáveis por tudo o que lhes acontece.

Se as diferenças fossem aceitas naturalmente e só nos defendêssemos contra quem nos faz mal.

Se todas as religiões fossem fiéis a seus preceitos, enaltecendo apenas o amor e a paz, sem se envolver com as escolhas particulares de seus devotos.

Se a gente percebesse que tudo o que é feito em nome do amor (e isso não inclui o ciúme e a posse) tem 100% de chance de gerar boas reações e resultados positivos.

Se as pessoas fossem seguras o suficiente para tolerar opiniões contrárias às suas sem precisar agredir e despejar sua raiva.

Se fôssemos mais divertidos para nos vestir e mobiliar nossa casa, e menos reféns de convencionalismos.

Se não tivéssemos tanto medo da solidão e não fizéssemos tanta besteira para evitá-la.

Se todos lessem bons livros.

Se as pessoas soubessem que quase sempre vale mais a pena gastar dinheiro com coisas que não vão para dentro dos armários, como viagens, filmes e festas para celebrar a vida.

Se valorizássemos o cachorro-quente tanto quanto o caviar.

Se mudássemos o foco e concluíssemos que infelicidade não existe, o que existe são apenas momentos infelizes.

Se percebêssemos a diferença entre ter uma vida sensacional e uma vida sensacionalista.

Se acreditássemos que uma pessoa é sempre mais valiosa do que uma instituição: é a instituição que deve servir a ela, e não o contrário.

Se quem não tem bom humor reconhecesse sua falta e fizesse dessa busca a mais importante da sua vida.

Se as pessoas não se manifestassem agressivamente contra tudo só para tentar provar que são inteligentes.

Se em vez de lutar para não envelhecer, lutássemos para não emburrecer.

Se.

Frase DalaiLamor

Read Full Post »