Feeds:
Posts
Comentários

Archive for abril \18\-03:00 2015

Post_Deepack_Chopra_Riqueza_Conhecimento

A Riqueza e o Conhecimento

(Deepak Chopra)

Era uma vez, num reino distante, um jovem que entrou numa floresta e disse ao seu mestre espiritual:

— “Quero possuir riqueza ilimitada para poder ajudar o mundo. Por favor, conte-me, qual é o segredo para se gerar abundância?”

O mestre espiritual respondeu:

— “Existem duas deusas que moram no coração dos seres humanos. Todos são profundamente apaixonados por essas entidades supremas. Mas elas estão envoltas num segredo que precisa ser revelado, e eu lhe contarei qual é.”

Com um sorriso, ele prosseguiu:

— “Embora você ame as duas deusas, deve dedicar maior atenção a uma delas, a deusa do Conhecimento, cujo nome é Sarasvati. Persiga-a, ame-a, dedique-se a ela. A outra deusa, chamada Lakshmi, é a da Riqueza. Quando você dá mais atenção a Sarasvati, Lakshmi, extremamente enciumada, faz de tudo para receber o seu afeto. Assim, quanto mais você busca a deusa do Conhecimento, mais a deusa da Riqueza quer se entregar a você. Ela o seguirá para onde for e jamais o abandonará. E a riqueza que você deseja será sua para sempre.”

Existe poder no conhecimento, no desejo e no espírito. E esse poder que habita em você é a chave para a criação da prosperidade.

Sócrates

Read Full Post »

Post_Rubem_Alves_Alegria_mora_agora.jpg

A alegria mora no agora

Rubem Alves

Pouco antes de morrer, Roland Barthes pronunciou a sua conferência inaugural como professor do College de France.

Sabia que estava ficando velho, mas saudava a velhice como tempo de recomeço, o início de uma “vita nuova”.

E ao terminar sua fala fez uma confissão pessoal espantosa.

Disse que havia chegado o momento de entregar-se ao esquecimento de tudo o que aprendera.

Tempo de desaprender.

As cobras, para continuarem a viver, têm de abandonar a casca velha.

Também ele tinha de abandonar os saberes com que a tradição envolvera.

Somente assim a vida poderia brotar de novo, fresca, do seu corpo, como a água brota das profundezas onde estivera enterrada.

E disse então que este era o sentido de ficar sábio: Nada de poder; um pouquinho de saber; e o máximo possível de sabor…

Ele dizia que era isto que pretendia ser, daquele momento para frente: um mestre do prazer, aquele que se dedica a ensinar a seus jovens alunos o gosto bom das coisas!

Quem toma uma decisão como esta está afirmando que o prazer é a única coisa que vale a pena.  Vivemos para o prazer.

O que é espantoso é que tal revelação lhe tenha sido feita quando ele já deixara para trás os anos da juventude.

Talvez que a sabedoria seja coisa crepuscular.

Há pessoas que só conseguem ver direito depois que a velhice chega.

É preciso muito pouco.

A alegria está muito próxima. Mora no momento.

Nós a perdemos porque pensamos que ela virá no futuro, depois de algum evento portentoso que mudará a nossa vida.

E a gente fica esperando que ela haverá de chegar depois da formatura, do casamento, do nascimento, da viagem, da promoção, da loteria, da eleição, da casa nova, da separação, da morte do marido, da morte da mulher, da aposentadoria…

E ela não chega porque a alegria não mora no futuro, mas só no agora.

Ela está lá, modesta e fiel, no espaço da casa, no espaço da rua.

Se não a encontramos, não é culpa dela é culpa nossa.

Nossos pensamentos andam muito longe dos lugares onde ela mora e, por isso, nossos olhos não a podem ver.

Velhice é quando se percebe que não existe no futuro nenhum evento portentoso por que esperar, como início da felicidade.

Por isso, talvez, os jovens devessem aprender com os velhos que é preciso viver cada dia como se fosse o último.

A alegria mora muito perto. Basta esticar a mão para colhê-la, sem nenhum esforço.

Mas, para isso, seria necessário que os nossos olhos fossem iluminados pela luz do crepúsculo.

A_alegria_Gaston_Courtois

Read Full Post »