Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘o tempo’

Post Artur da Távola - Ser Pai

Ser pai

Artur da Távola*

De todas as minhas modestas dimensões humanas, a que mais me realiza é a de ser pai.

Ser pai é, acima de tudo, não esperar recompensas. Mas ficar feliz caso e quando cheguem.

É saber fazer o necessário por cima e por dentro da incompreensão.

É aprender a tolerância com os demais e exercitar a dura intolerância (mas compreensão) com os próprios erros.

Ser pai é aprender, errando, a hora de falar e de calar.

É contentar-se em ser reserva, coadjuvante, deixado para depois. Mas jamais falar no momento preciso. É ter a coragem de ir adiante, tanto para a vida quanto para a morte. É viver as fraquezas que depois corrigirá no filho, fazendo-se forte em nome dele e de tudo o que terá de viver para compreender e enfrentar.

Ser pai é aprender a ser contestado mesmo quando no auge da lucidez. É esperar. É saber que experiência só adianta para quem a tem, e só se tem vivendo. Portanto, é aguentar a dor de ver os filhos passarem pelos sofrimentos necessários, buscando protegê-los sem que percebam, para que consigam descobrir os próprios caminhos.

Ser pai é: saber e calar. Fazer e guardar. Dizer e não insistir. Falar e dizer. Dosar e controlar-se. Dirigir sem demonstrar. É ver dor, sofrimento, vício, queda e tocaia, jamais transferindo aos filhos o que, a alma, lhe corrói.

Ser pai é ser bom sem ser fraco. É jamais transferir aos filhos a quota de sua imperfeição, o seu lado fraco, desvalido e órfão.

Ser pai é aprender a ser ultrapassado, mesmo lutando para se renovar. É compreender sem demonstrar, e esperar o tempo de colher, ainda que não seja em vida.

Ser pai é aprender a sufocar a necessidade de afago e compreensão. Mas ir às lágrimas quando chegam.

Ser pai é saber ir-se apagando à medida em que mais nítido se faz na personalidade do filho, sempre como influência, jamais como imposição. É saber ser herói na infância, exemplo na juventude e amizade na idade adulta do filho. É saber brincar e zangar-se. É formar sem modelar, ajudar sem cobrar, ensinar sem o demonstrar, sofrer sem contagiar, amar sem receber.

Ser pai é saber receber raiva, incompreensão, antagonismo, atraso mental, inveja, projeção de sentimentos negativos, ódios passageiros, revolta, desilusão e a tudo responder com capacidade de prosseguir sem ofender; de insistir sem mediação, certeza, porto, balanço, arrimo, ponte, mão que abre a gaiola, amor que não prende, fundamento, enigma, pacificação.

Ser pai é atingir o máximo de angústia no máximo de silêncio. O máximo
de convivência no máximo de solidão.

É, enfim, colher a vitória exatamente quando percebe que o filho a quem ajudou a crescer já, dele, não necessita para viver. É quem se anula na obra que realizou e  sorri, sereno, por tudo haver feito para deixar de ser importante.

PARABÉNS AOS PAIS

No dia dos pais__ao meu pai

*Artur da Távola, o pseudônimo de Paulo Alberto Moretzsohn Monteiro de Barros, nascido no Rio de Janeiro em 02/01/1936 e falecido na mesma cidade em 09/05/2008, foi um advogado, jornalista, radialista, escritor, professor e político brasileiro. Ele marcou seus telespectadores com uma de suas mais célebres frases:

“Música é vida interior, e quem tem vida interior jamais padecerá de solidão”

Read Full Post »

Post LyaLuft__A mentirosa liberdade

A mentirosa liberdade

Lya Luft

Liberdade não vem de correr atrás de ‘deveres’ impostos de fora, mas de construir a nossa existência

Comecei a escrever um novo livro, sobre os mitos e mentiras que nossa cultura expõe em prateleiras enfeitadas, para que a gente enfie esse material na cabeça e, pior, na alma – como se fosse algodão-doce colorido. Com ele chegam os medos que tudo isso nos inspira: medo de não estar bem enquadrados, medo de não ser valorizados pela turma, medo de não ser suficientemente ricos, magros, musculosos, de não participar da melhor balada, do clube mais chique, de não ter feito a viagem certa nem possuir a tecnologia de ponta no celular. Medo de não ser livres.

Na verdade, estamos presos numa rede de falsas liberdades. Nunca se falou tanto em liberdade, e poucas vezes fomos tão pressionados por exigências absurdas, que constituem o que chamo a síndrome do “ter de”. Fala-se em liberdade de escolha, mas somos conduzidos pela propaganda como gado para o matadouro, e as opções são tantas que não conseguimos escolher com calma. Medicados como somos (a pressão, a gordura, a fadiga, a insônia, o sono, a depressão e a euforia, a solidão e o medo tratados a remédio), cedo recorremos a expedientes, porque nossa libido, quimicamente cerceada, falha, e a alegria, de tanta tensão, nos escapa.

Preenchem-se fendas e falhas, manchas se removem, suspendem-se prazeres como sendo risco e extravagância, e nos ligamos no espelho: alguém por aí é mais eficiente, moderno, valorizado e belo que eu? Alguém mora num condomínio melhor que o meu? Em fileira ao longo das paredes temos de parecer todos iguais nessa dança de enganos. Sobretudo, sempre jovens. Nunca se pôde viver tanto tempo e com tão boa qualidade, mas no atual endeusamento da juventude, como se só jovens merecessem amor, vitórias e sucesso, carregamos mais um ônus pesadíssimo e cruel: temos de enganar o tempo, temos de aparentar 15 anos se temos 30, 40 anos se temos 60, e 50 se temos 80 anos de idade. A deusa juventude traz vantagens, mas eu não a quereria para sempre: talvez nela sejamos mais bonitos, quem sabe mais cheios de planos e possibilidades, mas sabemos discernir as coisas que divisamos, podemos optar com a mínima segurança, conseguimos olhar, analisar e curtir – ou nos falta o que vem depois: maturidade?

Parece que do começo ao fim passamos a vida sendo cobrados: O que você vai ser? O que vai estudar? Como? Fracassou em mais um vestibular? Já transou? Nunca transou? Treze anos e ainda não ficou? E ainda não bebeu? Nem experimentou uma maconhazinha sequer? E um Viagra para melhorar ainda mais? Ainda aguenta os chatos dos pais? Saiba que eles o controlam sob o pretexto de que o amam. Sai dessa! Já precisa trabalhar? Que chatice! E depois: Quarenta anos ganhando tão pouco e trabalhando tanto? E não tem aquele carro? Nunca esteve naquele resort?

Talvez a gente possa escapar dessas cobranças sendo mais natural, cumprindo deveres reais, curtindo a vida sem se atordoar. Nadar contra toda essa louca correnteza. Ter opiniões próprias, amadurecer, ajuda. Combater a ânsia por coisas que nem queremos, ignorar ofertas no fundo desinteressantes, como roupas ridículas e viagens sem graça, isso ajuda. Descobrir o que queremos e podemos é um bom aprendizado, mas leva algum tempo: não é preciso escalar o Himalaia social nem ser uma linda mulher nem um homem poderoso. É possível estar contente e ter projetos bem depois dos 40 anos, sem um iate, físico perfeito e grande fortuna. Sem cumprir tantas obrigações fúteis e inúteis, como nos ordenam os mitos e mentiras de uma sociedade insegura, desorientada, em crise.

Liberdade não vem de correr atrás de “deveres” impostos de fora, mas de construir a nossa existência, para a qual, com todo esse esforço e desgaste, sobra tão pouco tempo. Não temos de correr angustiados atrás de modelos que nada têm a ver conosco, máscaras, ilusões e melancolia para aguentar a vida, sem liberdade para descobrir o que a gente gostaria mesmo de ter feito.

“Tudo que escrevo é meu e vem de mim; é visceral e vital.” [Lya Lutf]

Obs.: No programa Marília Gabriela Entrevista

Read Full Post »

Post Silvia_Quando tudo dá errado

O que fazer quando tudo dá errado?

por Maria Silvia Orlovas*

Não é nada fácil lidar com as frustrações, porque encarar o erro significa também que participamos disso. E parece que a primeira atitude frente a algo que saiu errado, que nos magoou, é nos colocar na posição de vítima. E ainda que qualquer história tenha dois ou mais lados, quando sentimos que perdemos, que sofremos, é muito natural nos sentirmos traídos, mal compreendidos, desprezados.

Claro que somos mais do que a dor, somos muito maiores que as perdas, e é natural a gente se deixar cair, o que não podemos é nos acostumar à postura de vítima e ficar o tempo todo em que levamos um contra nos recolhendo nessa triste realidade.

Acho, no mínimo, engraçado a atitude de aceitar tão facilmente uma derrota e reclamar do destino infeliz, porque é claro que nem tudo é como a gente quer. Mas isso não significa que em cada tombo, em cada revés do destino não tenhamos chance de mudar as atitudes e de encontrar caminhos alternativos. Podemos e devemos nos recriar, então, porque nos aprisionar na condição de inferioridade que o estado de vítima nos oferece?

Somos mais que a vítima, somos mais que o vencedor, somos humanos, normais, pessoas que às vezes acertam, em outras erram. Temos sonhos e frustrações quando apostamos em resultados que não chegam, mas perder não significa que somos ruins, fracos ou incompetentes. Significa apenas que aquele caminho não deu certo, que aquela aposta não trouxe o resultado esperado, que aquela pessoa não era o que imaginávamos, mas nós podemos e devemos continuar da experiência para frente e, de preferência, sem mágoas.

Aliás, a mágoa, a frustração e consequente depressão tomam conta da nossa vida quando não conseguimos lidar com a derrota, com o fracasso, com os contras que recebemos da vida. Inclusive, tratei algumas pessoas com síndrome do pânico que, na verdade, eram totalmente imaturas em relação a lidar com as dificuldades. Veja bem que essa imaturidade não tem nada a ver com idade cronológica e, sim, com uma dinâmica pessoal pobre em auto-estima. Percebi que as pessoas com síndrome do pânico queriam demais que suas apostas dessem certo, que as pessoas aceitassem a rota que traçaram para si mesmas e para seus companheiros. Claro que não podemos generalizar e dizer que todos que sofrem dessa síndrome são assim, mas, há em comum a todas as pessoas que enfrentam sofrimento, um desejo de não mais sofrer, de conseguir algum tipo de controle da vida e das experiências, o que não inclui o fracasso.
Mas será que alguém controla o destino, que faz tudo certo, que não erra, ou leva um fora?

Claro que não. Todos nós erramos e quanto mais espertos formos ao entender a hora de parar, refletir e mudar de rota, com certeza, as experiências serão menos doloridas e não será necessário tanto desgaste para compreender que é o momento de mudar.

Tudo tem limites: sofrer por amor tem limite, sofrer pela família também. Sofrer pelo trabalho, pela convivência, por se sentir sozinho… Tudo isso exige que façamos um mergulho interior, uma meditação profunda em nossas apostas. Pois se olharmos de forma menos apaixonada para nossa história, com menos emoção e menos apego aos resultados que traçamos, com certeza, teremos mais luz para pensar em alternativas.

As pessoas não merecem tanto sofrimento por conta de um amor que não deu certo e, principalmente, não merecem se afundar na frustração dos planos falidos. Mas é preciso de muita luz, meditação, oração para se levantar e olhar para outra direção. Porém, de que serve a vida se não para a gente viver, abrir-se para cada momento e cada experiência?

A vida não vem pronta, nós não nascemos prontos, estamos aqui para recriar a cada dia o nosso destino. Compreendendo isso, assumi para minha vida um ditado do amado mestre Yogananda: aceito as mudanças com alegria porque elas vêm para o meu bem!

E é isso que desejo a você!

*Formada em Belas-Artes pela faculdade Santa Marcelina, trabalhou como arte educadora em escolas e grupos e hoje coordena o Espaço Alpha-Lux que atua na área alternativa, com palestras e cursos voltados ao autoconhecimento.

Read Full Post »

Post Taça Inteira_Rubem Alves

Taça Inteira – Rubem Alves

Você que trabalhou, batalhou, criou os filhos, envelheceu…

Os filhos cresceram, saíram de casa, você se aposentou…

E agora o tempo se estende vazio à sua frente, pouco importa levantar-se cedo ou tarde, não faz diferença, os dias ficaram todos iguais, não há batalhas a travar, ninguém precisa de você…

Cada dia é um peso, é preciso matar o tempo, descobrir um jeito de não pensar, pois o pensamento dói, e vem uma vontade de beber, uma vontade de esquecer, uma vontade de morrer…

Chegou o momento da inutilidade, e é isso que você não suporta, pois lhe ensinaram (e você acreditou) que os homens e as mulheres são como as ferramentas, que só valem enquanto forem úteis.

Ensinaram- lhe que você é uma ferramenta que merece viver enquanto puder fazer. E agora que o seu fazer não faz mais diferença, você se coloca ao lado dos objetos sem uso. À espera que a morte venha colocá-lo no devido lugar, pois nada mais há que esperar. Você está sem esperança.

Mas lhe ensinaram mal, muito mal. Pois nós não somos ferramentas.

Não vivemos para ser úteis.

Dizem os textos sagrados que Deus trabalhou seis dias para plantar um jardim. Terminado o trabalho, já não havia nada mais para ser feito. E foi justamente então que Deus sentiu a maior alegria. Terminado o tempo do trabalho, chegara o tempo do desfrute. E o Criador se transformou em amante: entregou-se ao gozo de tudo o que fizera. Com as mãos pendidas (pois tudo o que devia ser feito já havia sido feito), seus olhos se abriram mais. Olhou para tudo e viu que era lindo. Pôs-se a passear pelo jardim, gozando as delícias do vento fresco da tarde. E, embora os poemas nada digam a respeito, imagino que o Criador tenha também se deleitado com o gosto bom dos frutos e com o perfume das flores – pois que razões teria ele para criar coisas tão boas se não sentisse nelas prazer?

Se há uma lição a ser aprendida desses textos, lição que é que não somos como serrotes, enxadas, alicates, fósforos e lâmpadas que, uma vez sem o que fazer, são jogados fora. A nossa vida começa justamente com o advento da inutilidade. Pois o momento da inutilidade marca o início da vida de gozo.

Nada mais preciso fazer.

Travei as batalhas que tinha de travar. Nada devo a ninguém. Estou livre agora para me entregar ao deleite.

Todas as escolas só nos ensinam a ser ferramentas.

Será preciso que você procure mestres que ainda não foram enfeitiçados por elas. Você deve procurar as crianças. Somente elas têm o poder para quebrar o feitiço que o está matando ainda em vida.

As almas dos velhos e das crianças brincam no mesmo tempo.

As crianças ainda sabem aquilo que os velhos esqueceram e têm de aprender de novo: que a vida é brinquedo que para nada serve, a não ser para a alegria!

Desde os seis anos tenho mania de desenhar a forma das coisas.

Aos cinquenta anos publiquei uma infinidade de desenhos.

Mas tudo o que produzi antes dos setenta não é digno de ser levado em conta.

Aos 73 anos aprendi um pouco sobre a verdadeira estrutura da natureza dos animais, plantas, pássaros, peixes e insetos.

Com certeza, quando tiver oitenta anos, terei realizado mais progressos, aos noventa penetrarei no mistério das coisas, aos cem, por certo, terei atingido uma fase maravilhosa e, quando tiver 110 anos, qualquer coisa que fizer, seja um ponto, seja uma linha, terá vida.

Vamos! A vida é bela.

Pare de namorar a morte!

Beba a taça até o fim!

Aperitivo (Rubem Alves)

A menininha de 9 anos me explicou como as crianças na sua escola aprendiam a ler: “Aqui na Escola da Ponte não aprendemos letras e silabas. Só aprendemos totalidades…“

Read Full Post »